Introdução

Um dos assuntos mais desafiadores na minha trajetória como líder foi o de entender o que motiva as pessoas. Como profissional liderada, encontrei ambientes férteis que estimularam o melhor de mim, enquanto em outros encontrei ambientes em que eu me via completamente desestimulada. Uma das empresas cuja cultura foi mais nociva pra mim, curiosamente foi a que me pagou o melhor salário, além da cartela invejável de benefícios, e tinha um dos líderes mais carismáticos e que eu gostava bastante. Então vez ou outra eu me perguntava: O que meu líder poderia ter feito para melhorar o ambiente? Será o que o dinheiro é o que mais motiva um profissional?

Nessa busca, um dos livros que mais me ajudou foi o livro Drive de Daniel H.Pink, traduzido no Brasil como Motivação 3.0. Ele explica o conceito de motivação extrínseca, que é algo que vem de fora para dentro, como salário e benefícios, e o da motivação intrínseca, que é algo que vem de dentro. O livro traz todo o histórico do surgimento da Gestão, que aconteceu na revolução industrial, cujo foco maior foi o de fazer a gestão dos profissionais que realizam tarefas repetitivas. Muito embasado em pesquisas e outras referências, ele mostra como punições e recompensas funcionam nesse cenário e o porquê não dá certo com os profissionais que executam trabalhos relacionados à gestão do conhecimento.
O profissional do século XXI busca viver um protagonismo que certamente ajuda empresas a acompanharem a nova dinâmica de negócios. Nessa nova era, ao mesmo tempo em que atender aos anseios e desejos de um novo consumidor tornaram-se fundamentais para o crescimento e até sobrevivência das empresas, os profissionais envolvidos na construção do produto ou prestação do serviço passaram a vivenciar um protagonismo, desenvolvendo uma necessidade de colocar em prática uma capacidade inata de autogestão, cujos motivadores principais são a liberdade, o desafio da tarefa e o propósito da realização, que o autor intitulou de Comportamento Tipo I. (PINK, 2010).

O Moving Motivators

Muito alinhado a esse pensamento, trazido por Daniel Pink, e voltado mais para a prática, está o Managament 3.0, que tem como base a motivação intrínseca como peça fundamental para promoção de uma gestão humanizada, inclusiva e estimulante. O bacana do Management 3.0 é que ele traz uma série de ferramentas muito fáceis de aplicar e ajuda empresas e profissionais nesse desafio tão grande que é o de entender o que motiva cada um, intrinsecamente.

“A gestão não consiste em selecionar as melhores ideias; e sim criar um sistema que permita emergir as melhores ideias.” – Jurgen Appelo

A principal ferramenta do Management 3.0 criada para nos ajudar a conhecer e trabalhar com a motivação é o Moving Motivators. Com ele é possível entender os principais motivadores das pessoas, por meio de um momento bem interessante de troca que promove também o autoconhecimento de quem participa.

fonte: Foto tirada pela equipe da autora

O Moving Motivators tem 10 cartões que, segundo Jurgen Appelo, criador do Management 3.0, representam as motivações intrínsecas. São eles:

Aceitação: As pessoas ao meu redor aprovam o que eu faço e quem eu sou
Curiosidade: Eu tenho muitas coisas para investigar e pensar
Meta: Meu propósito na vida é refletido no trabalho que eu faço
Status: Minha posição é boa e reconhecida pelos outras pessoas pelas quais eu trabalho
Liberdade: Eu sou independente dos outros com meu próprio trabalho e responsabilidades
Honra: Eu me sinto orgulhoso que meus valores pessoais estão refletidos em como eu trabalho
Ordem: Existem regras e políticas o suficionete para um ambiente estável
Maestria: Meu trabalho desafia minha competência mas ainda está dentro das minhas habilidades
Poder: espaço suficiente para que eu influencie o que está acontecendo em torno de mim
Relação: Eu tenho bons contatos sociais com as pessoas dentro e em torno do meu trabalho

O Management 3.0 disponibiliza o download em vários idiomas em : https://management30.com/practice/moving-motivators/#download

Como funciona a dinâmica

De acordo com o Management 3.0, a dinâminca funciona em 3 passos, descritos a seguir:

Passo um: Defina quais motivadores são importantes para você. Coloque os cartões em ordem da esquerda (menos importante) para a direita (mais importante).
Passo Dois: Discuta como a mudança afeta seus motivadores. Por exemplo: se você está se perguntando se deveria mudar de emprego, o que significaria mudar para outra cidade, aprender uma nova habilidade e fazer novos amigos, como isso afeta o que o motiva? Provavelmente aumentará alguns motivadores e diminuirá outros. Mova as cartas para cima para uma mudança positiva e para baixo para uma negativa e, em seguida, observe se você tem mais cartas para cima ou para baixo. Esta é uma ótima maneira de ajudar a tomar decisões.
Passo Três: Tempo para reflexão e discussão. Converse com seus colegas de equipe sobre quais motivadores são menos e mais importantes para eles. Isso lhe dará uma visão melhor do que motiva seus colegas e permitirá que você crie relacionamentos mais fortes e aumente a colaboração. Use-o também como uma ferramenta para refletir e avaliar suas próprias decisões de vida. Quando a maioria de seus motivadores importantes cair ou quando os menos importantes subirem, pode ser hora de reflexão.

Minha experiência com a aplicação do Moving Motivators

Tive a oportunidade de aplicar o Moving Motivators em três situações:

A primeira foi dentro da minha própria equipe. Na ocasião, trabalhávamos como consultores e treinadores de Agilidade e atendíamos cerca de 12 Times de Desenvolvimento em uma empresa de Tecnologia da Informação. Fizemos exatamente o que foi proposto por Jurgen Appelo, criador do Management 3.0. Começamos entendendo o significado de cada um dos cartões. Éramos em torno de 8 pessoas e cada um conseguiu falar e debater sobre praticamente tudo o que mais motivava, da esquerda (maior motivação) para a direita (menor motivação). Fizemos uma segunda rodada sobre o que motivava a equipe enquanto grupo. Depois comparamos as diferenças das motivações individuais e enquanto equipe, conforme quadro 1 – Primeira Aplicação do Management 3.0. Foi um momento muito rico de troca. Percebi também, nesse caso como líder, que precisava fazer um trabalho posterior para trabalhar com as novas informações recebidas, afim de buscar a promoção de um ambiente que pudesse estimular cada um, individualmente. Realmente foi uma ferramenta fantástica que melhorou minha compreensão e da equipe como um todo.

Quadro 1 – Primeira aplicação do Moving Motivators


A segunda aplicação foi feita com um grupo de líderes que contou com a participação 12 pessoas. Depois de explicar como funcionava a dinâmica e o que representava cada um dos cartões, usei a estratégia de limitar a fala de cada um nos dois maiores motivadores e nos 2 menores, em função do tempo que tínhamos para a aplicação de 2 horas. O gestor que liderava o grupo todo conseguiu participar e isso foi extremamente positivo.
Coletamos todas as repostas para enviá-los em formato de planilha, conforme feito no quadro 1, para poderem ter guardadas essas informações para facilitar um “trabalho de bastidores”.

fonte: Foto tirada pela autora


Na terceira aplicação, os consultores e treinadores de agilidade (no mínimo em duplas) do meu Time aplicaram em cada um dos Times de Desenvolvimento que acompanhávamos. Participei de algumas aplicações. Sempre começávamos cada reunião explicando o significado dos cartões, na nossa interpretação, até porque isso pode variar, e depois aplicávamos a dinâmica. No total, o Moving Motivators foi aplicado em 12 Times de Desenvolvimento. Coletamos todas as repostas em formato de planilha e encaminhamos para os líderes, para ajudá-los a fazerem um trabalho de bastidores com suas equipes.

Foto da aplicação do Moving Motivators em um dos Times de Desenvolviemento

Fonte: Foto tirada pela autora

Em todas as aplicações o feedback sempre foi muito bom de todos que participaram da aplicação. Uma dica que eu dou para aplicar o Managment 3.0 é analisar o tamanho da equipe e o tempo disponível, pois a dinâmica é muito rica e estimula a participação de todos, começando pela própria explicação do que significa cada cartão. O outro ponto é o de trabalhar essas informações constantemente com o time, pois pode ser uma ferramenta muito legal para ajudar os líderes na promoção de um ambiente saudável que estimula a motivação e desenvolvimento das pessoas, assim como foi comigo.

Referências:
https://management30.com
PINK, Daniel. Motivação 3.0: DRIVE A surpreendente verdade sobre o que nos motiva: Sextante, 2019.

%d blogueiros gostam disto: